Desempenho Econômico e dos negócios

Nossa Receita Líquida apresenta evolução média anual de 9,7% nos últimos 10 anos, assim como o EBITDA Ajustado, cujo crescimento médio anual foi de 11,5%. Neste período, este indicador foi de R$ 52 milhões em 2007, com margem de 14,9%, para R$ 155 milhões, em 2017, com margem de 18,0%.

 

CAGR 10 anos
ROL: 9,7% a.a.
EBITDA: 11,5% a.a.

Balanços Patrimoniais (Consolidados em 31 de dezembro, em milhares de reais)

 Acionistas 31.12.2017 31.12.2016
ATIVO 1.501.839 1.679.951
Circulante 345.461 444.287
Não circulante 1.156.378 1.235.664
PASSIVO E PATRIMÔNIO 1.501.839 1.679.951
Circulante 301.759 445.377
Não Circulante 859.359 789.373
Patrimônio líquido 340.721 445.201

 

102-7 Demonstrações consolidadas dos resultados para os exercícios findos em 31 de dezembro (em milhares de reais)

Acionistas 31.12.2017 31.12.2016
Receita Líquida de Vendas 859.169 776.795
Variação do valor justo dos ativos biológicos (10.847) 27.394
Custo dos produtos vendidos (622.425) (593.422)
Lucro Bruto 225.897 210.767
(Despesas) Receitas Operacionais (220.162) (138.833)
Resultado antes do resultado financeiro e dos tributos 5.735 71.934
Receitas (despesas) financeiras líquidas (106.306) (107.046)
Lucro operacional antes dos efeitos tributários (100.571) (35.112)
Lucro líquido do exercício (108.173) (10.782)

 

No site de Relações com Investidores estão disponíveis a íntegra das nossas demonstrações fnanceiras anuais, abrangendo as Notas Explicativas, o relatório dos Auditores Independentes e o Relatório da Administração. A Lei das Sociedades por Ações e suas alterações e as normas estabelecidas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) guiam a elaboração destes documentos. A divulgação de resultados ocorreu em 27 de abril de 2018, em jornais de grande circulação nos quais divulgamos nossos atos societários e nos sites da CVM e BM&FBOVESPA. De acordo com Fato Relevante publicado pela Companhia em 05 de abril de 2018, o atraso da publicação decorreu do processo de revisão das Demonstrações Financeiras pelos auditores independentes da Companhia, Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes.

 

Principais indicadores econômico-financeiros

Segundo a Associação Brasileira do Papelão Ondulado (ABPO), em 2017 foi possível perceber o cenário econômico favorável de retomada no consumo, no qual a expedição em toneladas de papelão ondulado registrou crescimento de 4,9 % em comparação a 2016. Mesmo diante de um cenário doméstico desafador, as vendas para o mercado interno e melhores preços nos segmentos de papel para embalagem e embalagem PO contribuíram para o crescimento de 10,6 % da nossa Receita em 2017, em comparação ao ano anterior.

 

Principais Indicadores – Consolidado Econômico e Financeiro (R$ mil) 2017 2016 var. 2017/2016
Receita Operacional Líquida 859.169 776.795 10,6 %
Mercado Interno 733.131 635.433 15,4 %
Mercado Externo 126.038 141.362 -10,8 %
Lucro Bruto (incluso*) 225.897 210.767 7,2 %
* Variação do valor justo dos ativos biológicos (10.847) 27.394 -139,6 %
Margem Bruta 26,3 % 27,1 % 0,8p.p.
Resultado Operacional antes de Tributos e Participações (100.571) (35.112) 186,4 %
Margem Operacional -11,7 % -4,5 % -7.2p.p.
Resultado líquido (108.173) (10.782) 903,3 %
Margem líquida -12,6 % -1,4 % -11,2p.p.
EBITDA Ajustado 1 154.530 175.314 -11,9 %
Margem EBITDA Ajustada 18,0 % 22,6 % -4,6p.p.
Dívida Líquida (R$ milhões) 686,4 719,3 -4,6 %
Dívida Líquida/EBITDA Ajustado (x) 4,44 4,10 8,3 %
Dívida Líquida/EBITDA Ajustado proforma (x)2 3,68 3,40 8,2 %
Dados Operacionais (t)3
Embalagem Papelão Ondulado (PO)
Produção/Vendas 193.256 178.168 8,5 %
Papel para Embalagens
Produção 289.019 275.446 4,9 %
Vendas 89.072 87,947 1,3 %
Florestal RS e Resinas
Produção 11.841 11.926 -0,7 %
Vendas 12.000 12.211 -1,7 %

1 EBITDA (lucro antes de juros, tributos, depreciação, amortização e exaustão).
2 Excluindo da dívida líquida a variação cambial registrada como hedge accounting.
3 As premissas utilizadas para a mensuração dos volumes dos Segmentos de Embalagem Papelão Ondulado (PO) e Papel para Embalagens foram revisadas no 1T17 e sofreram alterações quando comparados com o ano anterior.

 

Receita Operacional Líquida

Nossa Receita Líquida atingiu R$ 859,2 milhões em 2017, um crescimento de 10,6 % em relação a 2016 influenciado pelo nosso desempenho em vendas ao mercado interno. Este mercado continua sendo o nosso principal, representando 85 % das vendas no fim do exercício.

 

Receita líquida (R$ milhões)

Representatividade por mercado

2016 2017
Mercado Interno 82 % 85 %
Mercado Externo 18 % 15 %

 

Receita líquida por segmento em 2017

Receita líquida – Mercado externo em 2017

Avaliação do Valor Justo dos Ativos Biológicos (Florestas)

A variação com efeito negativo nos custos de resinagem e silvicultura, além de mudanças de área e planejamento de produção de madeira em consequência do incêndio ocorrido em fevereiro de 2017, em áreas deste ativo florestal, influenciaram na variação negativa do valor justo dos ativos biológicos deste exercício.

 

Efeitos das variações do valor justo dos ativos biológicos

R$ 2017 2016
Variação do valor justo dos ativos biológicos 10.847 27.394
Exaustão do valor justo dos ativos biológicos 30.754 (43.498)

 

Conforme determina o CPC 29, desde 2010 mensuramos, periodicamente, o valor justo dos nossos ativos biológicos (florestas). A variação desse valor e sua exaustão são reconhecidos no Custo dos Produtos Vendidos (CPV). Com esta determinação contábil, conseguimos avaliar mais precisamente o valor de mercado das nossas florestas, conferindo mais adequação às nossas Demonstrações Financeiras.

 

Resultado Líquido

Impactado pela variação negativa do valor justo dos ativos biológicos, o reconhecimento de provisões tributárias e de perdas com recebimento de créditos não recorrentes e ao não reconhecimento dos impostos e contribuições ativos sobre prejuízo fiscal do exercício, nosso resultado líquido de 2017 atingiu R$ 108.173 mil negativo, quando comparado ao 2016 que atingiu R$ 10.782 mil negativo.

 

Consolidado (R$ mil) 2017 2016 var. 2017/2016
Resultado Operacional antes de Tributos e Participações (100.571) (35.112) 186,4%
Exaustão 41.761 60.916 -31,4 %
Depreciação e Amortização 53.815 63.886 -15,8 %
Resultado Financeiro 106.306 107.046 -0,7 %
EBITDA 101.311 196.736 -48,5 %
Margem EBITDA 11,8 % 25,3 % -13,5p.p.
Ajustes conf Inst. CVM 527/12
Variação do Valor Justo dos Ativos Biológicos 1 10.847 (27.394)
Eventos Não Recorrentes 2 42.372 5.972 609,5 %
EBITDA Ajustado 154.530 175.314 -11,9 %
Margem EBITDA Ajustada 18,0 % 22,6 % -4,6p.p.

 

No acumulado do ano, o EBITDA Ajustado atingiu R$ 154,5 milhões, com margem de 18, 0 % e 11,9 % inferior a 2016. A redução de 4,6 pontos percentuais na margem deve-se, principalmente, à venda de florestas que, em 2017, foi menor quando comparado às vendas realizadas em 2016.

Resultado Financeiro

Nosso resultado financeiro em 2017 manteve-se estável quando comparado a 2016. Neste mesmo ano, a variação cambial impactou negativamente os nossos resultados em R$ 8.797 mil, explicada, principalmente, pelo reconhecimento do hedge accounting no resultado, distribuído da seguinte forma:

 

R$ 2017 2016 var. 2017/2016
Receitas Financeiras 21.942 39.932 -45,1 %
Despesas Financeiras (128.248) (146.978) -12,7 %
Resultado Financeiro (106.306) (107.046) -0,7 %
Variação cambial líquida (8.797) (19.461) -54,8 %
Resultado Financeiro sem variação cambial (97.509) (87.585) 11,3 %

 

Endividamento Líquido

Nosso endividamento bruto consolidado foi totalizado em R$ 772,1 milhões em 2017, com 80 % do vencimento em longo prazo. O saldo de caixa consolidado totalizava R$ 85,7 milhões, em 31 de dezembro de 2017, comparado a R$ 198,1 milhões no mesmo período de 2016. As ações de operações financeiras em maior volume do que as captações, execução de investimentos frente à geração de caixa e a venda de florestas no último trimestre de 2017 foram os principais fatores que impactaram o caixa. Assim, nosso endividamento líquido consolidado em 2017 foi registrado em R$ 686,4 milhões, comparado a R$ 719,3 milhões em 2016, resultando no indicador dívida líquida/EBITDA, que passou de 4,10 vezes no fnal de 2016 para 4,44 vezes no fm de 2017. Excluindo da dívida líquida a variação cambial registrada como hedge accounting, o indicador dívida líquida/EBITDA Proforma seria de 3,68 no fnal de 2017. A variação deste indicador foi influenciada pela redução do EBITDA apurado no ano.

 

Endividamento e Dívida Líquida/EBITDA

Perfil do Endividamento Bruto

(Dívida Longo Prazo (%))

56 % 61 % 65 % 71 % 73 % 78 % 76 % 68 % 80 %

(Dívida Curto Prazo (%))

44 % 39 % 35 % 29 % 27 % 22 % 24 % 32 % 20 %

 

(201-1) Valor econômico direto gerado e distribuído Endividamento Líquido

Apresentam-se da seguinte forma os valores relativos à riqueza que geramos e à sua distribuição entre as partes que contribuíram para a geração desta riqueza como colaboradores, governo, financiadores e acionistas:

31.12.2017 % 31.12.2016 %
1. Receitas 1.134.067 1.099.289
2. Insumos adquiridos de terceiros 687.770 563.601
3. Valor adicionado bruto (1-2) 446.297 535.688
4. Depreciação, amortização e exaustão 95.576 124.802
5. Variação valor justo ativo biológico 10.847 (27.394)
6. Valor adicionado líquido produzido pela entidade (3-4-5) 339.874 438.280
7. Valor adicionado recebido em transferência 21.942 39.932
8. Valor adicionado total a distribuir (6+7) 361.816 478.212
9. Distribuição do Valor Adicionado
9.1 Pessoal 169.480 46,84 % 156.575 32,75 %
9.2 Impostos, taxas e contribuições 161.640 44,67 % 146.387 30,61 %
9.3 Remuneração de capital de terceiros 138.869 38,38 % 158.981 33,24 %
9.4 Remuneração de capitais próprios (108.173) -29,89 % 16.269 3,40 %