Florestal

As florestas são a essência dos nossos negócios. Nossa base é composta por 41.653 hectares de terras, sendo 67 % em Santa Catarina e 33 % no Rio Grande do Sul, devidamente licenciadas pelos órgãos competentes e manejo certificado pelo Forest Stewardship Council®, garantindo a adequação das nossas operações florestais, a preservação da biodiversidade e o respeito aos trabalhadores e às comunidades ao entorno.

Use of soil in SC
Values in %
Use of soil in RS
Values in %

 

 

Manejo Florestal

Rio Grande do Sul

Santa Catarina

 

Em Santa Catarina, o negócio florestal tem como principal objetivo o abastecimento da Unidade Papel SC com Pinus taeda para a produção de celulose e com biomassa de Eucalipto para a geração de energia na Caldeira de Cogeração. No mercado regional, comercializamos madeira reflorestada para empresas laminadoras e serrarias.

Distribuídas nos municípios de Água Doce, Catanduvas, Vargem Bonita, Ponte Serrada e Irani, as áreas totalizam 27.939,96 hectares de terras próprias e 1.040,93 em parcerias.

Ao longo de 2017, o negócio teve uma série de destaques, entre os quais:

(102-10)

  • Celebração de um contrato de compra e venda de ativos florestais que engloba a venda da Fazenda São Pedro, em Água Doce (SC), com aproximadamente 1.520 hectares de área total, bem como 801 hectares de florestas deste imóvel e 1.054 hectares de florestas plantadas em parcerias rurais, mediante autorização dos proprietários. Nesta negociação, mantivemos o direito de exploração da Fazenda São Pedro, firmamos com a compradora um contrato de prestação de serviços de gerenciamento florestal na totalidade das florestas negociadas. Saiba mais em:
    Link 1
    Link 2
  • Consolidação dos ganhos do projeto de eficiência energética da matéria-prima florestal e a melhora da performance, reduzindo o percentual de serragem junto ao cavaco utilizado para geração de energia, apurando menores índices de umidade.
  • Regulação fundiária das nossas propriedades certificada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e as devidas averbações estão previstas para 2018.
  • Realização de 5 eventos Kaizen com ênfase para a gestão da rotina e a eficiência operacional no plantio de mudas.

Os desafios continuam em 2018. Focaremos em ações que visam o aumento da produtividade e a redução dos custos de operação com melhoras nos índices de conformidade de qualidade e saúde e segurança ocupacional.

(102-15, 304-2)

Saiba mais sobre a Gestão Florestal em SC

(304-2)

Adquirimos sementes selecionadas de Pinus e Eucalipto com material genético superior. Ao serem enviadas para o nosso Viveiro Florestal próprio, em Vargem Bonita (SC), são cultivadas por um período que varia entre 8 e 12 meses, até que estejam prontas para o plantio.

Sementes de árvores nativas como Araucária, Imbuia e Butiá são colhidas em árvores matrizes em nossas florestas ou de áreas florestais da região, respeitando o ecossistema local, para o cultivo de mudas em nosso Viveiro e aplicação na recuperação de áreas degradadas, enriquecimento das florestas em estágios iniciais e doação aos nossos stakeholders.

Antes de iniciarmos as atividades de plantio, uma empresa terceirizada realiza as atividades de preparação do solo por meio da abertura de sulcos na terra usando técnicas de subsolagem. Nas áreas mais íngremes, uma equipe própria é responsável pela abertura de covas manuais.

Equipes próprias realizam o plantio com o auxílio de um equipamento especial e ergonômico que visa garantir a condução segura do plantio, o adequado espaçamento entre as mudas e o seu devido transporte.

Em um período de até 45 dias após o plantio das mudas, monitoramos a efetividade dos processos de subsolagem, coveamento, plantio, espaçamento e averiguamos a sobrevivência das mudas.

Quando as áreas plantadas atingem quatro anos, realizamos um inventário que busca mensurar o crescimento da floresta e apurar a produtividade da área plantada. Este inventário é atualizado a cada três anos, avaliando o desempenho em comparação aos ciclos anteriores e incremento de produção.

O combate às formigas nos Pinus é feito após o plantio, seguido de quatro combates mensais, respeitando a intensidade aplicável em cada área plantada. O Eucalipto exige técnicas diferenciadas de manejo, com o combate no pré-plantio e a adubação diferenciada (uma no plantio e outras duas, após 30 e 90 dias) de acordo com análise externa de necessidade de nutrição do solo. Controles de pragas como a vespa da madeira são feitos a partir de cinco anos de floresta plantada.

O monitoramento e a vigilância em nossas áreas plantadas são constantes. Preventivamente, realizamos a manutenção de aceiros (faixas de terra sem plantio que dificultam a propagação do fogo) e contamos com equipes de colaboradores voluntários capacitados para o pronto-atendimento de ocorrências e comunicação aos órgãos competentes para solicitação de reforço, quando necessário. Também dispomos de uma torre de vigilância e um caminhão-bombeiro próprios e, há mais de 10 anos, firmamos um convênio com o Corpo de Bombeiros Voluntários de Irani (SC) que visa a capacitação das nossas equipes para o atendimento de ocorrências florestais.

Antes de efetuarmos as operações de plantio e colheita e/ou sempre que necessário, as estradas passam por manutenção para o transporte da madeira e uso seguro da comunidade no entorno.

Nossa equipe de Planejamento Florestal se envolve ativamente nas atividades de silvicultura e colheita com orientações sobre aspectos de saúde, segurança, meio ambiente e operacionais, prevenindo possíveis impactos. Também é responsável pelas atividades de georreferenciamento, atualização da base cadastral florestal e inventário florestal.

O Relato de Saúde e Segurança Ocupacional e de Meio Ambiente (SSOMA) estimula a cultura da segurança a partir da identificação de desvios e da geração de dados para a tomada de ações corretivas, minimizando riscos e melhorando as condições do ambiente de trabalho. Também auxilia no monitoramento de impactos ambientais gerados pelas operações florestais e no monitoramento da fauna local. Desde a implantação desta prática, em 2014, registramos mais de 213 desvios observados em saúde e segurança ocupacional e tratados em reuniões de análise crítica e 390 observações de animais em campo.

No mercado regional, comercializamos toras de madeira reflorestada para empresas laminadoras e serrarias

A colheita é realizada quando a área plantada atinge 15 anos, de forma mecanizada, por uma empresa prestadora de serviço responsável pelo corte, arraste, traçamento e carregamento da madeira e do cavaco

Em 2017, com investimento aproximado de R$ 2 milhões, primarizamos a produção de cavaco de biomassa a partir dos resíduos florestais compostos por galhos, ponteira de árvores e restos de madeira do processo. Todo esse material é reunido e transformado em cavaco seco em um picador móvel próprio, proporcionando mais dinamismo e redução de custos operacionais.

 

Realizamos o controle de dispersão de espécies invasoras em áreas de matas nativas, seguindo programação anual e aprimorando nossas ferramentas de controle.

CURIOSIDADES DO NEGÓCIO FLORESTAL SC

  • Com auxílio de plantadeiras é realizado o plantio de até 20 mil mudas por dia em áreas de, aproximadamente, 10 hectares.
  • Você conhece a diferença entre toras e toretes? Toras são madeiras com mais de 28cm de diâmetro, que comercializamos com empresas laminadoras e serrarias. Já, os toretes, tem medida entre 8 e 28cm, usados para a produção de cavacos, dando início ao processo produtivo do papel.
  • Nosso Viveiro Florestal tem capacidade de produzir até 6 milhões de mudas por ano.
  • O plantio de Pinus é realizado o ano todo, já o Eucalipto é plantado entre outubro e dezembro, em função do risco de geadas.
  • O ciclo de manejo, do plantio ao corte final, é de 15 anos para o Pinus e de 7 anos para o Eucalipto.
  • Em 2017, doamos mais de 9.200 mudas para stakeholders, um investimento de mais de R$ 9 mil.